sexta-feira, 4 de abril de 2014

Sindicato rebate Jacini e diz que falta de gestão é da Secretaria de Justiça

Roberto Simeão diz que os papiloscopistas não serão escravos do governo 
(foto: Arquivo)

O vice-presidente do Sindicato dos Policiais Civis em Mato Grosso do Sul (Sinpol), Roberto Simeão, procurou o Dourados Agora para rebater a versão do secretário de estado de Justiça, Wantuir Jacini, que disse ontem em Dourados que o problema de lentidão na prestação de serviço de retirada de Registro de Identidade Geral (RG) se dá pela má gestão do setor de perícia do município.

Atualmente apenas dois peritos papiloscopistas atendem ao serviço de expedição de RG em Dourados. Por dia eles distribuem senhas para um atendimento máximo de 50 pessoas, embora a demanda passe de 100 pessoas ao dia. Para conseguir atendimento, os interessados chegam de madrugada na fila.

De acordo com Roberto, o problema de gestão não é do setor de perícia em Dourados, que conta com seis papiloscopistas, mas sim do Secretaria de Justiça, que deixou a cidade chegar a um patamar de baixo quadro de servidores no setor. "Até três anos atrás tínhamos nove papiloscopistas e agora são seis. A cidade cresce, desenvolve, mas o governo não investe em concurso público e agora quer culpar os poucos servidores que tem", disse Roberto Simeão.

Durante passagem por Dourados, nesta quinta-feira, Jacini disse que os papiloscopistas da cidade "só querem ficar de plantão para fazer perícia no período da noite, com isso conquistam folga no período do dia", sobrecarregando o setor de expedição de carteira de identidade.

Disse ainda que teria mandado acabar com o plantão noturno, que segundo ele, após levantamento, constatou que à noite realiza-se apenas 10 perícias por mês, quantidade insignificante. O plantão noturno, ainda de acordo com Jacini passaria a existir somente por meio do sobreaviso, aquele em que o servidor aguarda a qualquer momento o chamado para o serviço durante o período de descanso.

Simeão disse ao Dourados Agora que as medidas propostas pelo secretário de justiça não tem 'fundamento'. Ele apresentou relatório dos três primeiros meses deste ano sobre o Boletim de Identificação Criminal (BIC), que trata sobre as perícias realizadas pelos papiloscopistas no período da noite. Esse serviço consiste em coletar as digitais das pessoas presas pela polícia. O serviço é feito nas delegacias.

Segundo o documento, os servidores não realizam no máximo 10 perícias por mês, conforme disse Jacini. Em janeiro, consta no relatório que os papiloscopistas fizeram 43 BICs, em fevereiro 28 e março, 49.

Roberto ainda disse que outro tipo de perícia bastante comum no período da noite é o 'levantamento no local do crime', que consiste em recolher digitais no local do crime. Em janeiro foram 16 perícias, fevereiro, 13, e março, 12. "80% desses serviços são feitos no período da noite ", afirmou Roberto.

Por isso Roberto afirma que seria impossível acabar com os plantões noturnos. "O sobreaviaso apresentado pelo secretário conta como carga horária de serviço e nenhum servidor será escravo para trabalhar 40 horas semanais durante o dia e ainda cumprir o sobreaviso a noite", avisou. Se isso ocorrer, Roberto afirmou que recorrerá na justiça, pois nenhum policial irá trabalhar por uma carga horária superior ao permitido em lei. "Se o estado pagasse hora extra, até que poderíamos discutir esse assunto, mas isso não acontece", finalizou.

http://www.douradosagora.com.br/dourados/sindicato-rebate-jacini-e-diz-que-falta-de-gestao-e-da-secretaria-de-justica

SAIBA MAIS
Problema de gestão gera lentidão na emissão de RG, diz Jacini
População madruga e enfrenta filas para obter documento RG


0 comentários :

Postar um comentário