quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Com déficit de 400 policiais, Dourados trabalha abaixo do limite

Polícia Militar em Dourados ganha reforço com 80 soldados na área central da cidade. (Foto: Hédio Fazan)

Com um déficit de 408 policiais militares, segundo dados da Associação de Cabos e Soldados da PM e da BM de MS (ACSPM), a cidade de Dourados recebe reforço de apenas 80 alunos que estão em formação. Eles fazem parte de um total de 130 formandos, sendo que, destes, 50 serão destinados para as cidades de Maracaju e Fátima do Sul. No centro de Dourados, 65 deles reforçam a segurança do comércio de fim de ano, que está funcionando em horário especial, até às 22h.

De acordo com o presidente da (ACSPM), Edmar Soares da Silva, enquanto o município de Dourados conta com 433 policiais militares, o ideal seria 841. Esses números mostram que a cidade, juntamente com os distritos, têm metade do que é o necessário. “A recomendação da Organização das Nações Unidas (ONU) é para que haja um policial a cada 250 habitantes e que cada viatura tenha o mínimo de quatro componentes e que eles tenham tempo de descanso. Estamos muito aquém desta realidade, tanto em Dourados, como em todas as cidades de MS. Com os 80 novos policiais, este número sobe para 513 PMs, faltando ainda 328 para ser ideal. Hoje, o déficit médio no Estado em relação a efetivo é de 40%”, observa, destacando que hoje Mato Grosso do Sul tem 4.450 policiais, mas precisaria de 9.8 mil para atender à demanda; um déficit de 5.350.

Conforme o Sindicato, os números são desconfortáveis, mas existem, pela falta de investimento do Governo do Estado na Polícia Militar. Ele denuncia a ausência de um planejamento para a contratação anual de novos policiais. A associação defende uma lei que obrigue o Estado a contratar, anualmente, no mínimo 15% do efetivo para compensar as perdas com aposentadorias e reforçar o efetivo. “O Estado passou quatro anos sem a abertura de concursos. Realizou um, em 2008, que só terminou em 2010 e um agora em 2014, que deve contratar 900 policiais. Este número é irrisório, em relação à verdadeira necessidade do Estado. Além disso, o Governo não leva em conta o número de policiais que se aposentaram”, diz o presidente, lembrando que Mato Grosso do Sul é o Estado que mais registra assassinatos de policiais militares no País, conforme o Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2014, que leva em conta os números proporcionais por habitantes. Edmar também denuncia a falta de um planejamento para a contratação anual de novos policiais. A associação defende uma lei que obrigue o Estado a contratar anualmente no mínimo 15% do efetivo para compensar as perdas com aposentadorias e reforçar o efetivo.

Estado

Em relação ao efetivo, o Governo do Estado vem anunciando 900 novos policiais que estão em formação no Estado. Já sobre as mortes relatadas no Anuário, o Estado diz que “o crescimento é atípico, mas está diretamente relacionado ao risco da atividade”.

A Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul elaborou e instituiu, com a publicação no Diário Oficial do Estado de 13 de novembro de 2014 (página 16), a Política de Gestão de Riscos e, a partir de agora, irá implantar o Plano de Gestão de Riscos para todos os órgãos da segurança pública do Estado.

Comércio

Em Dourados, a Operação de fim de ano da Polícia Militar contará com mais de 300 policiais na área central de Dourados para reforçar a segurança.

A palavra de ordem é força total contra a criminalidade. Para isso, segundo o subcomandante do 3º Batalhão da Polícia Militar de Dourados, Ten. CEL Carlos Silva, a PM já está disponibilizando todo o efetivo para a operação. Isso será possível porque, em dezembro, as férias estão proibidas. Além disso, com o recesso do Fórum, os policiais que atuam na escolta de presos também serão remanejados.

Novidade para este ano é que o número de policiais nas ruas praticamente dobrou em relação ao ano passado, devido ao reforço dos soldados alunos.

Outra mudança é a ampliação da área de atuação da PM, que estendeu o policiamento ostensivo. Somente nesse trajeto são mais de 750 mil metros quadrados de cobertura e, aproximadamente, 500 lojas comerciais. Em áreas de maior fluxo de pedestres, a PM monta esquema de segurança fixo.

Para não dar margem ao crime nos bairros, todas as viaturas em reserva foram mobilizadas. Ao todo, a Operação vai mobilizar mais de viaturas, cães farejadores, Polícia Montada, Força Tática, Getam e Polícia Comunitária.

Há 7 dias de Operação, a PM avalia que as compras estão ocorrendo com tranquilidade e que a presença reforçada aumenta a segurança e reduz drasticamente qualquer tipo de ação criminosa.

O Progresso

0 comentários :

Postar um comentário