sábado, 28 de fevereiro de 2015

PEC 300: A chama da esperança está acesa


Militares se reuniram com Daciolo em Brasília (DF). (Foto: Divulgação/ABSS)

Lideranças de todo o Brasil se reuniram, no mês de fevereiro, na cidade de Brasília (DF), onde deram novo impulso na luta pela PEC 300, proposta de emenda à constituição que, se aprovada, estabelece um piso salarial nacional para policiais e bombeiros militares. Em primeira votação, ela já foi aprovada na Câmara dos Deputados, mas, desde então, segue emperrada no Congresso Nacional por pressão de políticos governistas.

“A PEC 300, engavetada desde 2010, sempre foi a mola propulsora que motivou milhares de policiais e bombeiros em busca de um bem comum. Agora, mais do que nunca, acredito nela, pois depositamos nossa confiança no Cabo Daciolo e nos demais deputados da Frente Parlamentar, como o Cabo Sabino, e outros que compõem a Frente, inclusive o Delegado João Campos de Goiás. Agora, nós seremos representados de fato dentro do Congresso”, afirmou o presidente da ACS (Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar de Mato Grosso do Sul), Edmar Soares da Silva.

Durante o encontro, os militares deram início à Frente Parlamentar em Defesa da Segurança Pública. O objetivo é reunir os deputados federais que têm a área como bandeira e, assim, dar força às pautas da categoria, como a PEC 300 e a PEC 24, que tramita no Senado e institui o Fundo Nacional da Segurança Pública. Com a Frente, os militares pretendem também barrar propostas impopulares entre os servidores, como a que pretende desarmar o policial em seu horário de folga.

O deputado federal Benevenuto Daciolo (PSOL-RJ), que é bombeiro militar e foi eleito para seu primeiro mandato, ainda levou para o plenário da Câmara, além de Edmar, o presidente da ABSS (Associação dos Subtenentes e Sargentos), Thiago Mônaco Marques, e a presidente da Associação das Famílias do Estado de São Paulo, Adriana Borgo.

A convite de Daciolo, Edmar e Mônaco foram até o Plenário da Câmara. (Foto: Divulgação/ABSS)

“É fato histórico a presença de policias dentro do plenário da Câmara. Daciolo conseguiu fazer com que permanecêssemos no interior da Casa para observarmos como se conduzem os trabalhos”, disse Edmar, que aproveitou a oportunidade para buscar aproximação com os deputados afim de engrossar o coro pela PEC 300.

Lideranças – Todas as lideranças tiveram oportunidade de expressar a sua opinião durante o encontro. Em regra, até mesmo nos estados onde há uma política salarial adequada, todos são favoráveis à PEC 300.

“Mesmo sabendo que nosso Estado possui um dos melhores salários deste País, nos sentimos na obrigação de estarmos juntos com os demais estados na busca de um salário digno a todos os policiais e bombeiros deste País, pois somente assim, unidos, seremos fortes de verdade”, disse o sargento Gilberto, da Associação de Cabos e Soldados da Goiás.

“Não é porque temos um salário ideal que iremos abandonar a PEC 300. Muito sacrifício foi feito até agora, na busca de melhores salários, e por isso temos que manter a unidade. Nos despirmos de vaidades pessoais e buscar ajudar aqueles que precisam de nós neste momento”, complementou o sargento Arimatéia, de Minas Gerais.

O sargento Jean, da Polícia Militar de Brasília, defendeu a ‘desmistificação’ do salário pago a um PM no Distrito Federal, onde um soldado receberia até R$ 7 mil. “É uma mentira. Um soldado em Brasília recebe pouco mais de R$ 4 mil. Tudo que o Governo divulgar a respeito, é mentira”, afirmou.

Já Daciolo, por sua vez, demonstrou comprometimento com a causa da PEC 300. “Temos na PEC 300 a motivação nacional na busca por melhores condições de vida para todos os servidores da segurança pública. Quero afirmar de público a minha determinação em colocar a PEC 300 para votação. Vamos exigir o cumprimento do regimento interno da Casa, que prevê que, se colocada uma PEC para votação em primeiro turno, é obrigatória sua colocação para apreciação do segundo turno após cinco sessões legislativas”, finalizou.

Jeozadaque Garcia
Assessoria de Imprensa da ACS

0 comentários :

Postar um comentário