sábado, 18 de julho de 2015

PMs trabalham com coletes à prova de tiros fora da validade


A falta de condições é, mais uma vez, motivo de reclamação dos servidores da segurança pública de Mato Grosso do Sul. Em Dourados – a 228 km de Campo Grande – policiais militares denunciaram de que 80% dos coletes à prova de balas do efetivo dos policiais militares estão com prazo de validade vencidos.

Segundo a Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul, 120 dos 150 equipamentos que deveriam garantir a proteção das equipes da cidade do sul do Estado contra a perfuração por armas de fogo estão fora do prazo de validade, alguns há três anos.

Segundo o cabo Aparecido Lima, 47, diretor da ACS em Dourados, a situação ocorre no Estado inteiro e não há mais como trabalhar com essa insegurança. “A gente tem que reivindicar, se ninguém nunca cobrar aí vão dizer que a gente fez vista grossa. Essa ‘doença’ é antiga, um governo que vai passando pro outro”, afirmou Lima.

O diretor, que é cabo da Policia Militar há 25 anos, completa: “esses coletes têm a validade de seis anos, alguns venceram em 2012 e nunca foram substituídos”.
Lima ainda reclama de outros fatores, como a falta de uniformes e até mesmo de condições sanitárias básicas nas unidades policiais. “Quando não é farda, é coturno. O fardamento está sempre em falta. Por exemplo, a condição do policial nos hospitais (para acompanhar presos doentes), que ficam circulando junto a pessoas com doenças transmissíveis, também é outro ponto”.

Os policiais civis também enfrentam dificuldades parecidas. Para Jean Carlos Miranda, diretor-jurídico do Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis de Mato Grosso do Sul) falta investimento. “Não recebemos, até então, nenhum tipo de reclamação dos policiais civis especificamente sobre os coletes balísticos, porém, acredito que o número desses equipamentos não supra a necessidade dos 2,4 mil servidores”, afirmou.

“Todo o material que envolve a confecção desse equipamento é caro, mas não justifica. Enfim, a Polícia Civil passa por dificuldades há muitos anos, como a falta de efetivo e outros equipamentos”, disse Miranda, que declarou que vai averiguar a questão da proteção balística nos próximos dias.

Até o fechamento desta edição, a reportagem não conseguiu retorno da Sejusp (Secretaria de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul) sobre o assunto.

http://www.oestadoonline.com.br/2015/07/pms-trabalham-com-coletes-a-prova-de-tiros-fora-da-validade/

0 comentários :

Postar um comentário