quinta-feira, 16 de junho de 2016

PM denuncia tortura contra policiais no MPE e OAB

Associação quer punição para a agressão sofrida por 3 policiais durante conflito em Caarapó

Aparecido Lima denunciou agressão no MPE. Foto: Marcos RibeiroAparecido Lima denunciou agressão no MPE. Foto: Marcos Ribeiro
A Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar de Dourados (ACS) denunciou nesta tarde o espancamento sofrido por três policiais que atuavam em apoio ao Corpo de Bombeiros durante o resgate de vítimas do conflito por terras em Caarapó. A reclamação foi protocolada na tarde de ontem no Ministério Público Estadual e na Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil e visa cobrar a punição dos agressores e recuperar armamento dos profissionais que ficaram em poder da comunidade indígena.

Para o presidente da associação, Aparecido Lima da Rocha, os policiais são vítimas de agressão física, tortura psicológica e cárcere privado. Segundo ele, os policiais foram aprisionados por volta das 12h e só foram libertados por volta das 16h. "Além das graves agressões, sendo algumas sérias pauladas na cabeça, um dos policiais ainda teve o corpo encharcado de gasolina. Foram momentos de terror para estes profissionais, que além das conseqüências físicas poderão sofrer abalos graves psicológicos, prejudicando inclusive suas atuações", destaca.

A Associação dos Subtenentes e Sargentos Policiais e Bombeiros Militares de Mato Grosso do Sul (ABSSMS), seccional Dourados também se manifestou. Em nota a imprensa a entidade repudiou completamente as ações de extrema violência contra a integridade física de policiais militares na fazenda Ivu, município de Caarapó. "A ABSSMS, através de sua Comissão de Direitos Humanos cobrará do poder judiciário a responsabilização dos culpados, bem como prestará todo o apoio necessário aos policiais militares vítimas desse crime".

DIREITOS HUMANOS

Com o agravamento da situação dos indígenas da terra Dourados-Amambai Peguá, no município de Caarapó (MS), uma comitiva da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados está a caminho de Mato Grosso do Sul. Os deputados Padre João (PT-MG), Paulo Pimenta (PT-RS), Zeca do PT (PT-MS) e Wander Loubet (PT-MS) tinham previsão de chegar em Dourados na noite de ontem.

Em nota, a comissão classificou o ocorrido como "massacre de Caarapó". Disse que o agente de saúde indígena Clodiodi Aquileu de Souza foi morto após ataque de paramilitares e que outros seis indígenas também foram atingidos por disparos de armas de fogo e estão hospitalizados. Uma criança de 12 anos, baleada no abdômen, está entre as feridas.

Segundo lideranças Guarani e Kaiowá, o ataque é uma retaliação às retomadas de terras. No mês passado, a Funai publicou a aprovação do Relatório de Identificação e Delimitação da Terra Indígena Dourados-Amambai Peguá.

Fonte: Jornal o progresso

0 comentários :

Postar um comentário