quarta-feira, 27 de julho de 2016

Bombeira poderá ser presa após fazer ensaio sensual

Mulher fez fotos para ensaio que retrata o feminismo em fevereiro. Decisão de prisão saiu nesta semana

Curitiba - Um ensaio fotográfico poderá levar uma soldado do Corpo de Bombeiros de Curitiba à prisão por oito dias. A militar fez asfotografias para um projeto que mostra a liberdade feminina em fevereiro, no entanto, a decisão dos militares, em punir a mulher, só veio à tona nesta semana em uma decisão interna do 7º Grupamento do Corpo de Bombeiros do Paraná.

A soldado Lilian Villas Boas, de 32 anos, participou das fotos, para um projeto do fotógrafo Arnaldo Belotto, que tem como objetivo retratar a liberdade da mulher. Nas imagens, Lilian aparecia com parte dos seios à mostra. De acordo com Belotto, as imagens foram feitas após a militar saber que uma amiga havia feito o ensaio e gostar da proposta do trabalho - que não tem fins lucrativos - e mostra a liberdade feminina.

Publicadas leis que corrigem distorções salariais e instituem cursos anuais

Reinaldo assinou as leis ontem. (Foto: Chico Ribeiro/Divulgação)
O Diário Oficial desta quarta-feira (27) trouxe as leis sancionadas ontem, pelo governador Reinaldo Azambuja, que corrigem distorções salariais na Polícia Militar e no Corpo de Bombeiros.

A lei complementar n. 218 fixa as tabelas com as correções até 1º de janeiro de 2018, enquanto a n. 220 altera o estatuto das Polícias Militares, fixando a realização de cursos anuais.

O presidente da Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso do Sul, Edmar Soares da Silva, que participou da solenidade de assinatura, ressaltou o diálogo e o respeito do governo estadual durante as negociações salariais.

“Sabemos da situação econômica desse País. Enquanto a maioria dos estados luta para pagar seus salários em dia, nós empreendemos uma luta por melhoria salarial. Ao nosso ver, o Governo buscou valorizar aqueles servidores que recebem os menores salários. Isto é corrigir injustiças praticadas por outros governos. Com as correções de distorções, buscamos valorizar aqueles que, muitas vezes, foram esquecidos no passado. Isto é política de Estado, e não de Governo”, discursou.


Jeozadaque Garcia
Assessoria de Imprensa da ACS