sábado, 25 de fevereiro de 2017

Mulheres de PMs do Espírito Santo fecham acordo com o governo para iniciar negociação

BloqueioNA PORTA dos batalhões será suspenso; primeira reunião do acordo será na quinta

As mulheres dos PMs do ES vão encerrar hoje os bloqueiosarquivo pessoal/Movimento das Famílias PMES


As representantes do Movimento das Famílias PMES, formado por mulheres e parentes de policiais militares do Espírito Santo, chegaram a uma acordo com o governo estadual na manhã deste sábado (25) e decidiram suspender os bloqueios nas portas dos batalhões.
"Foi uma negociação longa que começou ontem [sexta] às 15h40 e só terminou mesmo hoje, às 7h20. Mas conseguimos chegar a um resultado. Vamos suspender o movimento para construir uma ponte de diálogo com o governo para debater todas as nossas reivindicações", disse Gilmara Vazzoler, uma das líderes do movimento.

Os acampamentos nas portas dos batalhões começaram no dia 3 de fevereiro. A partir do dia 4, o movimento ganhou força e causou um caos na segurança pública.

Segundo Gilmara, a retirada das últimas ocupações deve começar ainda hoje. O acordo para o início do diálogo, segundo as mulheres dos PMs, só foi possível por conta da intermediação do Ministério Público do Trabalho e do Tribunal Regional do Trabalho, que tinham representantes na mesa de negociação.

As mulheres também conseguiram o compromisso do governo de que serão canceladas as punições administrativas. De acordo com as mulheres dos PMS, cerca de 200 soldados sofreram punições.

Também ficou acertado que, no prazo de até 45 dias, serão revertidas as transferências dos policiais militares como forma de punição. Eles deverão retornar aos postos de origem.

A primeira reunião para discutir os primeiros detalhes do acordo está marcada para a próxima quinta-feira (2 de março). No acordo, o governo também se comprometeu a não abrir novos procedimentos disciplinares contra os PMs.

O desembargador Mário Ribeiro Catarino Neto, presidente do TRT-ES, disse que está a disposição paraCONTRIBUIR COM AS negociações.

R7



0 comentários :

Postar um comentário