quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Dourados tem dez PMs para cuidar de 210 mil pessoas

No final, sobram apenas 10 policiais militares para compor equipes de 4 rádiopatrulhas (Foto: Hédio Fazan)

No final, sobram apenas 10 policiais militares para compor equipes de 4 rádiopatrulhas (Foto: Hédio Fazan)

A Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul alertou ontem que o 3o Batalhão da Polícia Militar de Dourados tem apenas 10 policiais para o serviço de rádiopatrulha por dia, que é o policiamento ostensivo que cabe à PM. Pelos números da associação, isso ocorre porque de um efetivo total de 350 homens, apenas um terço fica em serviço no sistema de plantão 24h por 48h, o que reduz o total de policiais atuando para apenas 117. "São quatro unidades de rádiopatrulha por dia, o que dá uma viatura para cada grupo de 53 mil habitantes", alerta Edmar Soares da Silva, presidente da ACS Estadual.

Do total de efetivo de 350 homens do 3o Batalhão, a Associação de Cabos e Soldados exclui os administrativos, os policiais que estão em férias, de licença médica, afastados, em guarda no presídio e em escolta de presos, além dos homens que atuam em outros grupos da PM como Tático e Getan. "No final, sobram apenas 10 policiais militares para compor equipes de 4 rádiopatrulhas, de forma que os mais de 212 mil habitantes podem contar com a segurança de apenas 10 militares no policiamento ostensivo", enfatiza o presi-dente da Associação de Cabos e Soldados.


Ainda de acordo com a ACS, a situação é agravada pelo fato do 3o Batalhão da Polícia Militar ser obrigado a garantir segurança para os municípios de Caarapó, Itaporã, Douradina e dos Distritos de Vila Vargas, Vila São Pedro, Indápolis e Itahum. "Existe ainda o agravante da rádiopatrulha ser deslocada para escolta de presos, o que acaba tirando ainda mais homens das ruas", alerta a Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar. Edmar Soares da Silva aponta ainda outros problemas na segunda maior cidade de Mato Grosso do Sul como falta de equipamentos de segurança, deficiência de armamentos e fardamentos. "Mas o maior problema é mesmo a falta de efetivo, levando em consideração que Campo Grande conta hoje com sete Batalhões da PM e Dourados tem apenas um", ressalta. "O ideal seria a criação imediata de um Batalhão de Choque para atender não apenas Dourados, mas os municípios da faixa de fronteira que vivem em constante clima de tensão", defende Edmar Soares da Silva.

HERANÇA

O presidente da Associação de Cabos e Soldados de Mato Grosso do Sul reconhece que a falta de efetivo tanto em Dourados quanto nos demais batalhões da PM no Estado é herança maldita deixada pelos ex-governadores. "Esse problema vem se acumulando há uns três governos, tanto que o governador Reinaldo Azambuja herdou o Estado com um déficit de mais de 5 mil homens e conseguiu reduzir para cerca de 4 mil", argumentou. "Nos próximos dias vamos protocolar um ofício cobrando a realização de um novo concurso público para formação de 1.000 novos policiais militares", avisa o presidente da Associação de Cabos e Soldados.


Edmar Soares da Silva afirma ainda que o atual governo tem se esforçado para melhorar esse quadro. "O ideal seria formar, pelo menos, mais 4 mil policiais militares nos próximos dois anos para que a Polícia Militar tenha condições de prestar um serviço ainda melhor à população e a Associação de Cabos e Soldado tem sida parceira na solução dos problemas, sem, contudo, deixar de fazer a parte dela que é defender os interesses dos policiais e da própria sociedade", finaliza Edmar Soares da Silva.

OUTRO LADO

O tenente-coronel Carlos Silva, comandante do 3o Batalhão da Polícia Militar de Dourados, admitiu ontem que, de fato, são apenas dez homens para o serviço de rádiopatrulha em Dourados, mas pontuou que outros grupos dão suporte ao trabalho de policiamento. "Além dos 10 da rádio-patrulha são outros 4 ou 5 da Força Tática, 6 ou 7 da Getan e também o policiamento comunitário, de forma que o total de policiais em serviço no atendimento à população não é apenas 10 e sim mais de 20", pontuou o tenente-coronel.

Ele também destacou o empenho do secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), José Carlos Barbosa, para mudar a realidade em Dourados. "É claro que o quadro total não é o ideal, mas o secretário tem sido um parceiro do 3o Batalhão na viabilização de novas viaturas e equipamentos, já autorizou a abertura de um curso de formação de cabo para a segunda quinzena de novembro e vai anunciar um novo concurso público para formação de novos policiais militares no início de 2017", afirma Carlos Silva. "Estamos trabalhando para melhorar ainda mais o serviço que já prestamos à sociedade e com o comprometimento do nosso secretário de Justiça e Segurança Pública em breve todos esses problemas serão sanados", finaliza o tenente-coronel.

Fonte: http://www.progresso.com.br/caderno-a/policia/dourados-tem-dez-pms-para-cuidar-de-210-mil-pessoas

0 comentários :

Postar um comentário