segunda-feira, 3 de novembro de 2014

PM sofre infarto em teste físico para Sargento


O cabo da Polícia Militar Márcio Francisco Ferreira da Gama, 45 anos, segue internado em estado grave em um hospital particular de Belém. O militar sofreu um infarto na última quarta-feira (29), após realizar um teste de aptidão física para Sargento da PM.

O teste, no entanto, nem poderia ter sido autorizado pela Corporação e realizado pelo praça por dois motivos: o primeiro, pelo tempo de carreira de Márcio Gama. Segundo uma de suas filhas, após 15 anos de serviço como cabo, o militar deve ser automaticamente promovido a 3º Sargento. Por ter entrado na polícia em 1995, Gama já tem 19 anos de serviço e a promoção não ocorreu. Outros casos semelhantes seriam "comuns" e o Governo do Estado estaria sendo omisso ao não cumprir a lei e promover os trabalhadores da segurança.

No registro de Márcio Gama é possível ver a data de sua admissão, em 29 de agosto de 1995. Foto: Reprodução

Outro agravante na situação era o estado de saúde do Cabo Gama, como é conhecido. Recentemente, foi constatado, através de exames médicos, que ele estava com artérias entupidas e precisaria fazer um exame de angioplastia. Sua filha contou em entrevista exclusiva ao DOL que na própria junta da Polícia ele constava como inapto e, portanto, não deveria participar do teste.


No laudo médico da PM, já estava indicação da necessidade de exames e inaptidão de Gama para testes físicos. Foto: Reprodução.

Na terça-feira (28), no entanto, foi publicado um boletim pela PM com a lista de pessoas aptas ao exame e o nome de Márcio constava no documento. Há anos aguardando ser promovido e com medo de perder a vaga por faltar ao teste físico, ele foi ao Comando Geral da Polícia para fazer as atividades, onde acabou enfartando.

A lista que divulgava os militares aptos ao exame pode ter tido falhas graves de digitação, como no caso de Márcio. Foto: Reprodução

A filha do militar informou ainda que uma tenente identificada como "Rose" teria chegado a dizer que a permissão para o exame poderia ter sido provocada por falha na digitação, chamando o candidato inapto ao teste como se estivesse apto.

Caso segue um mistério

Após o teste físico, pouco foi informado sobre o que ocorreu e o tempo que Gama demorou a ser atendido e encaminhado a um hospital. De acordo com a filha dele, haveria até mesmo uma ordem não explícita para outras pessoas que participaram do teste e estavam no local durante o ocorrido não comentarem sobre o caso, já que as possibilidades do fato ter sido provocado por uma falha humana são grandes.

Ainda de acordo com a filha da vítima, apesar de dias já terem se passado, nenhum psicólogo ou mesmo algum membro do Comando da Polícia entrou em contato com familiares da vítima para prestar algum tipo de apoio. Somente na última sexta-feira (31) o PM foi transferido para uma UTI.

O DOL entrou em contato com a Polícia Militar e aguarda posicionamento. 

(Enderson Oliveira/ DOL)

0 comentários :

Postar um comentário