sábado, 21 de março de 2015

Presidente da ACS propõe aluguel de viaturas e critica demora nas promoções: “É um absurdo”

O presidente da ACS (Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar de Mato Grosso do Sul), Edmar Soares da Silva, é o entrevistado da semana no site Top Midia News. Na conversa que teve com a jornalista Mikaele Teodoro, ele fala sobre a crise que atravessa a segurança pública, melhores condições de trabalho para policiais e bombeiros militares, além da demora nas promoções, o que, segundo ele, desmotiva a tropa. “Existem no Estado soldados esperando a mais de 11 anos para subir para cabo. Isso é um absurdo”, dispara.

Edmar fala também sobre a falta de viaturas na Polícia Militar -o Batalhão de Choque, por exemplo, está com boa parte de seus veículos em manutenção. Uma solução para amenizar o problema, segundo ele, seria alugar os veículos. Conforme a proposta já apresentada pela categoria ao governador Reinaldo Azambuja (PSDB), em caso de baixa, uma nova seria disponibilizada imediatamente pela empresa responsável pelos serviços, enquanto a viatura quebrada passaria pelos reparos necessários.

“Hoje, a manutenção é feita por processo licitatório, através de leilão. Mas, em alguns casos, o conserto demora meses e, enquanto isso, o policial fica de mãos atadas”, lamentou.

Confira a entrevista na íntegra:

Top Mídia News – Sobre o caso da morte do agente penitenciário Carlos Augusto Queiroz de Mendonça. Acredita que esse assassinato expõe a crise em que o sistema de segurança do Estado se encontra?

Nós acompanhamos o caso com muita tristeza e entendemos que demonstra sim, a fragilidade dos servidores da segurança pública no Estado, principalmente os agentes penitenciários que atuam diretamente com detentos e não possuem direito a armamentos. É uma situação lamentável que precisa receber mais do poder público.

Top Mídia News – O Sinsap (Sindicato dos Servidores da Administração Penitenciária do Estado do Mato Grosso do Sul) contesta a versão apresentada pela Polícia Civil sobre a motivação da morte e afirma que o caso foi uma demonstração de força da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). O senhor acredita que há uma tentativa, por parte dos gestores públicos, de negar a suposta força da facção?

Não acompanhei as investigações deste caso, por tanto não posso me pronunciar. No entanto, a Polícia Civil tem total domínio e competência no desempenho da sua função e por isso acredito que será dado prosseguimento nas investigações e com toda amplitude que o caso requer. Quanto ao PCC, nós não podemos negar que eles estão por trás das execuções de PMs em todos os estados do Brasil. E sim, são execuções, 99% dos casos de mortes de policiais tratam-se de execuções. Inclusive, estamos preparando para os próximos meses uma série de mobilizações em apoio aos policiais militares mortos em todo país. É uma situação que nos preocupa muito.

Top Mídia News – E quanto às condições de trabalho dos policiais e bombeiros militares? Quais as principais pautas de reivindicações deste ano?

Nossas reivindicações principais continuam sendo a luta pelo salário justo, melhores condições de trabalho e a valorização dos policiais, com atenção especial para as promoções. Existem no Estado soldados esperando a mais de 11 anos para subir para cabo. Isso é um absurdo. Não há nada que mais motive um policial do que as promoções que ele recebe. Temos casos de policiais que trabalhavam desmotivados e a partir da promoção adquirida, melhoraram drasticamente o desempenho de suas funções. Então está é uma questão que vamos focar a atenção. Quanto ao reajuste salarial, já estivemos viajando pelas cidades do interior para identificar as demandas e necessidades dos nossos policiais, mas ainda não iniciamos as negociações com o governo do Estado. Mas eu acredito que não teremos problemas com essa questão.

Top Mídia News – Recentemente o sindicato se empenhou em denunciar o sucateamento de viaturas. O que foi resolvido ou quais são as propostas para resolver esse problema?

Chegamos a uma situação em que quase 100% das viaturas do Batalhão estão sem condições de uso, principalmente por falta de manutenção. Uma sugestão nossa e que está sendo feita pelo governo de Goiás é o aluguel de viaturas. Uma empresa que seja responsável pela reposição, recuperação e conserto das viaturas baixadas. Hoje, a manutenção é feita por processo licitatório, através de leilão. Mas, em alguns casos, o conserto demora meses e, enquanto isso, o policial fica de mãos atadas. Estamos conversando sobre essa possibilidade e é uma alternativa que nos agrada muito.

Top Mídia News – Outro posicionamento importante do sindicato é quanto ao emprego de armas de fogo pela Guarda Civil do Município. Qual é o seu posicionamento sobre o assunto?

Nós do sindicato somos completamente contrários a essa medida. Acreditamos que existem muitos casos que depõem contra o armamento da guarda. Um deles é o episódio em que um grupo, que age dentro da guarda municipal, foram truculentos e prenderam um soldado da Polícia Militar próximo a Feira Central. Foi uma ação totalmente ilegal e desnecessária. Se eles estivessem armados teriam matado nosso policial. Isso é um absurdo, eles estão saindo da função deles que é cuidar prédios públicos. Não possuem o menos preparo para portar arma de fogo. Os agentes penitenciários sim, esses deveriam receber armamento, não os guardas municipais.

Mikaele Teodoro
Top Midia News

0 comentários :

Postar um comentário