sábado, 12 de agosto de 2017

'Cadê a reforma criminal?', questiona secretário em enterro de mais um PM no RJ

Roberto Sá voltou a pedir mudanças na legislação para reduzir criminalidade no Rio. Com mais 3 assassinatos em 24 horas, chega a 97 número de PMs mortos em 2017.
Por G1 Rio

Secretário de Segurança do Rio fala sobre morte de PMs 

O secretário de Segurança do Rio, Roberto Sá, foi neste sábado (12) ao enterro de um dos três policiais militares mortos em menos de 24 horas, o soldado Samir da Silva Oliveira, de 36 anos. Após a cerimônia, Sá voltou a pedir mudança na legislação criminal brasileira e lamentou o número de 97 PMs assassinados em 2017 no estado. 

"É um número alarmante que nos deixa muito tristes, muito perplexos e que nos leva à seguinte reflexão: é uma polícia que está nas ruas, é uma polícia que se doa, são heróis que estão morrendo. Não tenham dúvidas que a tente mergulha nos nossos protocolos, nossas estratégias, dias após dia, para poder melhorar. Mas, me parece, que isso no Rio de Janeiro e no Brasil não tem sido suficiente para a gente ter uma sociedade cujo o criminoso reflita antes de sair praticante crime", disse Roberto Sá. 

PMs, amigos e familiares foram homenagear o soldado Samir em enterro (Foto: Reprodução/TV Globo) 

Segundo o secretário, enquanto as penas para criminosos não foram modificadas, a sociedade vai continugar a "sangrar. 
"Nós precisamos exigir reforma na política criminal. Eu vejo reforma tributária, reforma política, reforma econômica, cadê a reforma criminal? Essa legislação te atende como cidadão? Você acha que três anos [de pena] inicialmente, para quem porta um fuzil para sair em 6 meses, é razoável? Vocês acham que quem tira uma vida de uma pessoa pode progredir de uma pena de 15 [anos] e sair com cinco, seis anos? Não é razoável. O mundo não trata o crime assim. Sociedade que depende só da polícia para evitar isso é uma sociedade que vai sangrar." 

Samir da Silva Oliveira foi baleado na Avenida 24 de Maio, no Méier. Os PMs suspeitaram de um carro que passava e pediram que o motorista parasse. Na hora que o pm samir se aproximou, levou um tiro no rosto. Ele chegou a ir para o Hospital Salgado Filho, onde morreu. Ele era casado e tinha uma filha. 

"Não vamos desistir, nós vamos continuar a cada minuto em busca de criminosos, em busca de livrar a sociedade dessa violência", declarou o secretário.

Outras mortes

No domingo (13), Roberto Sá deve tem mais três enterros para ir. Um é o do policial civil, Bruno Guimarães Buhler, da Coordenadoria de Operações Especiais (Core), morto em operação no Jacaré, na sexta-feira. Neste sábado, outros dois policiais militares morreram: Elisângela Bessa Cordeiro foi assassinada em assalto em Coelho Neto; e Vaine Luiz dos Santos Ferreira, executado em casa – o cunhado é o principal suspeito. 

PMs vítimas de violência em 2017, segundo a PM:

ASSASSINADOS: 

em serviço: 21 
folga: 56 
reformados: 20 
total: 97 

FERIDOS: 

em serviço: 213 
folga: 86 
reformados: 6 
total: 305 

0 comentários :

Postar um comentário